Novo Ano

http://www.geocaching.com/geocache/GC5GYEA_welcome-2015?guid=f739d483-b5e2-4e4d-b870-91fe85c22cc0
Novo Ano

Entrados no novo ano, é meu desejo que Vós, seguidores deste blogue “O Meu Quotidiano”, e leitores passantes, estejais bem ou melhor do que eu, pelo menos é sincero o que acabo de desejar.

Depressa passou 2014, diria que a correr e a reboque das decorrentes mutações do Mundo sentidas por cada sujeito, de díspares formas, económicas e sociais. Agora ao recém-chegado 2015, ainda com os motores em aquecimento, deseja-se nele melhor vida, não da monetária que é quem controla as Sociedades, mas Humana.


Bafejados acontecimentos anuais que recebem repetidamente os mesmos desejos, Paz, Amor, Solidariedade, enfim, tudo do melhor. Magias frásicas a acontecerem nestas noites, de final de ano, ilusão de união, perdão, excessos, pede-se o tudo que sonhamos. Porém os erros do passado continuam no presente; é como confessar há superior autoridade, asneiras de um dia e, de imediato, reitera-las. Pequenos ajustes do presente contínuo…para o Ano há mais.

Como naquela passagem do ano, 2013 para 2014, quando liguei a um amigo, a desejar-lhe mais força para a nossa amizade.Ok, Ok assim será”, respondia-me pelo pequeno aparelho tecnológico. Porém quando nos encontramos pela primeira vez, no ano, o que tinha sido, para mim, um bom desejo, foi para ele o inverso, colocando a nu a sua intenção de por ali ficarmos até hoje. Razões?! Penso que uma, desinteressado em manter a relação, nascida com a morte de outra. Exemplar gota oceânica no viver Humano. Seguir em frente, que o caminho é certo. 

O correto foi não diferenciar este 2015 dos outros, não fosse vir alguma praga melhorar a nossa convivência e não Nos deixasse repetir passados, então desejou-se tudo por igual. Viver, um dia de cada vez, sem olharmos para o vizinho necessitado, deixar e ver o tempo passar, alimentar a solidão dos outros, correr atrás do nada, assim o queremos Nós.

Este meu cantinho tem-se alimentado de silêncios, embora silêncios sejam também palavras, forças adversas à minha vontade me emperram alma. Querer um caminho e nele encontrar mais e mais obstáculos, querer o certo no errado e encontrar opacas paredes, são desilusões das minhas perceções diárias … Assim desejo que este meu humano sentimento seja uma falácia, que afinal a vida é uma repetição de bondade, perdão e amizade. Seja um Novo Ano 2015, melhor para Todos.

Imagem Retirada da Google

Mensagens populares deste blogue

Medos Que Nos Fizeram Ser, o Que Não Quereríamos Ser.